Três Extremos (2002) Segmento: Indo para Casa

 

O investigador Chan (Eric Tsang) e seu filho Cheung (Li Ting-Fung) mudam-se para um prédio degradado e ameaçado de demolição.
No condomínio do outro lado da rua residem Yu (Leon Lai) e sua esposa Hai’er (Eugenia Yuan), que está paralisada da cintura para baixo. Quase imediatamente após a chegada, o menino Cheung começa a ver e ouvir coisas estranhas, e com o seu pai no
trabalho, deve enfrentá-las sozinho. Logo depois de começar investigar o prédio, Cheung desaparece. Chan volta para casa e
começa a procurar freneticamente por seu filho perdido. Ele confronta Yu que nega qualquer conhecimento de seu filho. Não
acreditando em sua palavra, procura no apartamento e é preso quando Yu descobre.

02
Originalmente inserida na antologia asiática de horror de 2002, Three II (San Geng), de Peter Ho-Sun Chan, “Indo para Casa”
(Going Home) rapidamente se firmou como o segmento claramente superior desse lote. Depois de receber elogios da crítica e de
ser nomeado em 9 categorias no Festival de Cinema de Hong Kong de 2003, a Panorama Entertainment publicou uma edição com a
versão extendida do diretor.

03
Indo para casa é um exemplo surpreendente de narrativa e produção. Com seu tempo de execução relativamente curto, o filme
mede perfeitamente todos os aspectos cruciais da narrativa. Equilibra observações inteligentes sobre amor, perda, normas
sociais, e elas são importantes para a aparência e a normalidade do nosso cotidiano. Ele enfatiza o significado das memórias e fotografias como a única conexão real com os entes queridos perdidos pelo tempo, não importando o grau que tentemos
desesperadamente manter. É também um dos poucos filmes que usa as convenções mais “esparsas” e “Grand Guignol” para dar uma
perspectiva ainda de mais poder emocional e sofrimento real. As revelações e a conclusão são verdadeiramente profundas e muito
impressionantes. A história lhe dá as chaves para uma compreensão clara do subtexto.

04

A atuação é soberba. Eric Tsang como o pai de Cheung, Chan, dá ao personagem uma atmosfera universal e atraente que, mesmo em
uma situação difícil, coloca seu filho como prioridade. Leon Lai (cujo desempenho lhe rendeu um Cavalo Dourado Taiwanês de
2002) retrata Yu como um homem lógico e educado, cuja mente está nas trevas, e mesmo assim, tenta com intenso amor e
dedicação, derrotar um dos fatos mais contundentes da realidade. Eugenia Yuan como a esposa de Yu, Hai’er, embora faça
basicamente ter um monólogo no final, não deixa de ser igualmente excelente, ela ganhou a honra de Melhor Artista Novo no
Festival de Cinema de Hong Kong de 2003 por este filme. A direção de Peter Chan é direta e ganha ainda mais força, simplesmente não seria o mesmo com excessivos ângulos de câmera abstratos e flash desnecessário. O filme é discreto, A filtro verde é creditado ao diretor de fotografia Christopher Doyle e ao diretor de arte Hai Chung Man, fazendo um excelente trabalho de capturar a decadência urbana e perceber a essência do filme de melancolia monótona. A trilha de Cho Sung-Woo e Peter Kam, também é digna de nota devido ao uso de formas mais tradicionais de estilos musicais como a orquestração operística, que tecem delicados tentáculos de compaixão e apreensão nas imagens com pinceladas magistrais.

10

Conclusão:

Uma obra-prima da aplicação da temática padrão do Horror para colher sensibilidades profundas e tocantes comuns a todas as pessoas. Um filme que você precisa ver.

Dirigido por Peter Ho-Sun Chan https://www.imdb.com/title/tt0324242/

História de Matt Chow e Jojo Hui

2002, 61 minutos.

13
Estrelando:

Leon Lai

Eric Tsang

Li Ting-Fung

Eugenia Yuan

Disponibilizamos na nossa página no Facebook: Curta e compartilhe!

Escute o nosso programa sobre horror chinês onde é mencionado este segmento!

 

 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.