[Filme] Arashi ga Oka: A linda versão japonesa de O Morro dos Ventos Uivantes

A ideia de atores japoneses retratando os agricultores de Yorkshire do início do século XIX pode parecer surreal, para dizer o mínimo (embora o anime Steamboy tenha personagens da Manchester vitoriana falando em japonês). Na verdade Yoshishige Yoshida, o diretor, teve a sensatez de transpor toda a história para o Japão medieval. A maior parte da narrativa acontece nas encostas de um vulcão, cheio de fumaça de lavas. Além de oferecer amplas oportunidades para a incrível fotografia com panorâmicas de paisagens sombrias e varridas pela neblina, ela também tem associações culturais com o inferno budista, onde almas atormentadas por seu apego aos desejos terrestres se espicham ao redor e se agarraram umas às outras.

Liberto de qualquer necessidade de recriar com fidelidade a Yorkshire romântica do livro, o filme explora o patrimônio estilístico e cultural do cinema japonês. E assim, Yoshida transforma Wuthering Heights em um trabalho impressionante.

A trama é fiel ao livro, quando abrange as duas gerações da história original de Emily Bronte. Wuthering Heights torna-se East Mansion, e Thrushcross Grange é a West Mansion.

Os nomes de Cathy e Heathcliff não são pronunciados ​​na versão japonesa, então ela é Kinu (Seda) e ele é Onimaru (Demônio). Os fantasmas desapareceram, mas em vez disso o Sr. Earnshaw, o pai de Cathy, é o guardião dos espíritos das montanhas. De vez em quando ele se veste como um guerreiro fantasma, chuta algumas portas das dobradiças, e, em um fervor religioso, atravessa as planícies cinzentas numa misteriosa cerimônia xintoísta (o xintoísmo é a antiga religião animista do Japão). Curiosamente Cathy está sendo treinada para ser uma donzela do templo, em um processo que envolve o fato de ela estar recolhida em uma cabana no fundo do jardim em certos momentos durante o mês.

 

Heathcliff torna-se então o intruso disruptivo que corrompe a ordem social, obcecado pela fria donzela do templo, Kinu/Cathy.

Libertado dos grilhões da normalidade, Onimaru é um maravilhoso Heathcliff ao estilo do teatro Kabuki. Ele é interpretado pelo ator Yusaku Matsuda, que o público ocidental conhecerá como o vilão Sato em Chuva Negra, de Ridley Scott (ele morreu tragicamente de câncer aos 40 anos, o ano em que o filme de Scott foi lançado). Os estilos de atuação do cinema japonês funcionam muito bem aqui, Heathcliff oscila entre o homem japonês monossilábico e taciturno e assim ele consegue captar a gama de emoções e imagens que cercam Heathcliff no livro, até os elementos demoníacos góticos que Emily Bronte roubou de Frankenstein .

 

Livre das associações que construímos em torno de Wuthering Heights , Arashi ga Oka é um trabalho maravilhoso que se afasta de vários temas estilísticos do original – o terror gótico, a sociedade virada de cabeça para baixo por um estranho demoníaco, a paixão não correspondida e violência brutal. Disponibilizamos essa pérola com legendas no nosso canal no Ok.Ru. também. Inscreva-se!

LINK PARA BAIXAR: Arashi ga Oka, filme japonês de 1988 ( Arashi ga Oka – ‘Stormy Hills’) IMDB https://www.imdb.com/title/tt0095786/ Diretor: Yoshishige Yoshida (as Kiju Yoshida) Roteiro: Emily Brontë (livro), Yoshishige Yoshida  Atores: Yûsaku Matsuda, Yûko Tanaka, Rentarô Mikun


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.